quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Parabéns pra você.

 ( Por favor trocar o judge por hate ok? ;)  )




Engraçado como a gente nunca consegue se desfazer do passado.
Quando eu tinha 9 anos eu te conheci. Eramos amigas por que eu havia me intrometido na sua amizade com outras pessoas, sempre me intrometendo pra não precisar ficar sozinha chorando nos cantos.
Depois com uma visão meio distorcida de você, eu me encantei por você, fiquei obssessiva. Me lembro como eu chorei quando o Rafael aquele garoto negro com olhos verdes que eu era apaixonadinha por ele e que ele era apaixonadinho por você. E ele era obcecado por onibus por que o pai dele era motorista. Me lembro que eu brincava com ele e que ele tinha vários desenhados e arrastava eles pelas carteiras, me lembro também de quando minha calcinha verde-limão ficou aparecendo e ele ficou rindo e mostrando pra todo mundo. Me lembro de todo mundo olhando pra mim por que eu estava chorando por que ele disse que não gostava de mim e sim dela, e de como a professora Florice ou eterna Flofló disse que não era hora pra sentimentalismos, ela era professora substituta naquela epoca do Carolina Rennó, mas me lembro que a cretina me deu aula de história até quase o fim do Ensino Médio.
   Ah menina, se soubesse que eu te imitava tanto, que a inveja fez e faz de mim um ser humano comum e que essa é uma característica da minha personalidade fraca que eu estou tentando deixar ir embora, Lembro de como eu ficava grudada em você,( menos na hora do intervalo por que eu odiava as suas primas). De quando eu fui na sua casa minuscula e te ajudava a arrumar tudo, ou quando chegava la e sua mãe estava passando pano no chão da entrada que, era a cozinha e de como os tapetes vermelhos eram iguais aos daqui de casa. Minha mãe jogou eles fora e eu me lembrei de você.
De como a minha barriga de gravida que ainda está aqui me incomodava, por que todo mundo dizia que você tinha barriga de tabua, ou de como as suas unhas grandes e belas fizeram eu me envergonhar ainda mais de mim mesma. De como eu teria adorado ser bonita, e ter a coragem de não ter implorado pela sua amizade de volta por algo que eu não me lembro mais que  fiz. Me lembro da carta embrulhada num papel de presente prata e dourado. Aquelas cartas que colavam uma na outra e se transformavam numa coisa enorme.  De como você disse que nunca aceitaria que nenhum garoto fizesse o que quisesse com você, por que você "tinha vergonha na cara". De como eu achei incrível você me incluir no meio das meninas pra eu não ficar sozinha. E que me lembro por que muitas vezes não gosto de ficar com esse mimimi feminino e de como eu gosto. Vocês  começaram a falar de menstruação, eu ja fechei a cara por que o assunto era booooooring, e eu fiquei la mesmo por que eu precisava de amigos. Isso durou 2 anos, Mas eu ainda penso em como me senti quando te vi de novo depois de 5,6 ano ja no Ensino Médio. Eu poderia  ter tido uma barriga de tabua, E oje você tem um filho, um relacionamento conturbado, mas você ta ai inteira. Eu cansei de ficar fazendo listas de coisas que você era e tinha, e de guardar fotos suas pra poder te imtar. cansei de ficar fazendo besteira ou ficar de cara fechada por causa disso, Todos nós naquela sala tinhamos 11 anos, mas eramos tão maduros, tão unidos, eu sinto saudade daquela época, Mas finalmente depois de tantos anos que você ja tinha eu fui tomar vergonha na cara agora.
Feliz aniversário, to dizendo adeus agora. Não vai mais ter carta pra você.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Hoje vim falar de nós.


 

Hoje vim falar de mim, e do dia que resolvi me amar.
Do dia que resolvi sair no sol e sentir o calor ( e que calor) bater na pele e sorrir.
Vim falar de mim, do que me tornei, e do que me arrependo de ter sido.
Das vezes que chorei por você e pelas vezes que chorei por mim,
Vim falar das noites que não dormi pensando em você e onde você estaria e por que você, sempre egoísta e orgulhoso não podia me avisar.
De quando eu resolvi mandar você pro inferno e me mandar também.
(Nota mental: ser egoísta e orgulhosa também)
Hoje vim falar do dia que mesmo aquilo acontecendo, eu não quero ficar com você do lado,viver esse clichê, e de como quero.
De quando eu pude ter me amado, e conseguido olhar no espelho e dito "me amo".
Das vezes que tive vergonha de mim mesma e de quantas vezes eu prometi que amanhã eu ia mudar.
Dos dias que fiquei vendo as pessoas conseguindo o que elas queriam e eu estava ali estagnada.
Do dia em que você me disse que nunca me obrigara a nada.
Hoje vim falar, que eu podia ter meu cabelo enorme, minha barriga chapada, minha bunda redonda e a alma lavada.
Das vezes que não tive coragem de mudar a minha vida, e de procrastinar tanto que acho que dormi a vida toda.
Do dia que seu sorriso me fez achar que a vida pode ser boa e bonita. ( pode, pode, pode)
Do dia que te odiei e o quanto odeio de quanto odeio te imaginando  imaginando outras mulheres.
Das vezes que me olhei por dentro e por fora e disse, vai dar certo.
(vai dar eu sei que vai dar.)
De quanto eu quero ser má e te fazer sofrer e me amar, e te jogar, fazer você, sumir.
Eu sumir, mas antes eu precisava falar, do dia que eu resolvi parar de ser assim,